9 grandes tendências de consumo: por dentro das transformações do mercado

Transformações no mercado acontecem de forma bem frequente. Com novas tecnologias, os consumidores se tornaram bastante exigentes, pois elas aproximaram as empresas e seus públicos e geraram novas oportunidades. Tudo isso fez com que tendências de consumo surgissem, e acompanhá-las pode ser a chave do sucesso para uma marca.

Há alguns anos, por exemplo, quando a internet ainda não era acessível para todos, a compra online — se comparada com a física — não tinha muita expressão. Hoje isso mudou completamente!

Uma empresa que não tem um site simplesmente está virando as costas para as oportunidades e limitando seu crescimento, isso para não dizer que está flertando com seu fim.

As tendências de consumo norteiam as ações e o foco das empresas, por isso, têm grande importância. Então, resolvemos criar este conteúdo para mostrar quais são essas tendências e como sua empresa precisa se preparar para elas.

Você vai ler o conteúdo ou vai deixar sua marca se perder pelo caminho do sucesso?

Por que acompanhar as tendências de consumo?

Você já ouviu falar ou entrou em uma loja da Blockbuster? Se não entrou, é bem provável que não tenha mais essa oportunidade! Essa marca foi um grande ícone e líder mundial no mercado de aluguel de filmes. Ainda em 2007, a empresa tinha mais de 8 mil lojas operando em 26 países, mas viu esse império ruir justamente por não acompanhar as tendências de consumo.

A Blockbuster sempre se viu em uma posição privilegiada quando o assunto era filmes. Ir até uma loja da marca e alugar uma fita VHS ou, mais tarde, um DVD para assistir no fim de semana era um grande programa.

O ponto de virada foi justamente a internet. Hoje, como você assiste a um filme? Muito provável que sua resposta seja Netflix. Aliás, a Netflix tem uma grande responsabilidade no fim da Blockbuster.

Por que ter o trabalho de ir até uma loja, pagar caro para ver um filme e ainda ter que voltar para devolvê-lo, enquanto pagando menos você tem acesso a uma grande variedade de conteúdo diretamente na sua televisão?

A Blockbuster podia ter se adaptado e utilizado a internet para acompanhar a tendência, mas ela não fez isso e o fim dessa história nós já conhecemos.

Outras empresas também não passaram ilesas por esse processo de transformação, como é o caso da Kodak, empresa reconhecida nas vendas de filmes fotográficos.

O fato é que precisamos estar sempre atentos às tendências de consumo e transformações do mercado. A tecnologia avança em um ritmo bem acelerado e, se uma empresa não estiver preparada, novas marcas podem tomar seu lugar.

Quais são as 9 principais tendências de consumo?

Já que falamos das novas tendências de consumo e das transformações que principalmente a internet está gerando, vamos analisar quais são essas mudanças para que você esteja preparado. Acompanhe!

1. Compra de conveniência

Com uma rotina cada vez mais apertada, nós, consumidores, buscamos opções que facilitem nossas vidas na execução das tarefas.

Queremos mais tempo para relaxar, descansar, aproveitar a família ou fazer atividades prazerosas. Porém, tarefas cotidianas tomam bastante tempo. Em uma grande cidade como São Paulo, ir ao supermercado pode levar longas horas em um trânsito caótico!

Nesse sentido, uma das maiores tendências de consumo é baseada na compra de conveniência.

Um estudo feito pela Nielsen chamado “Em busca da conveniência” evidenciou que o varejo está sendo transformado por consumidores mais exigentes. Esse estudo mostrou, por exemplo, que 40% dos consumidores em todo o mundo buscam a alimentação fora de casa durante a semana no horário de almoço.

Várias empresas já identificaram essa tendência e apostaram em serviços que facilitem a vida das pessoas. Aplicativos para compra e entrega de produtos de supermercado estão disponíveis aos montes.

Basta abrir o aplicativo no celular, passar a sua lista de compras e realizar o pagamento. Pronto! Os produtos são entregues na sua casa, sem que seja necessário ir ao ponto comercial e enfrentar trânsito e, principalmente, filas extensas.

Os e-commerces também são fortes opções quando falamos de compra por conveniência. Muitos deles não se contentaram com a opção de compra pela internet e apostam em simplificar o processo, seja com um login social — quando o cliente pode utilizar os dados das redes sociais para realizar o cadastro —, seja com a compra com um clique, rápida e simples.

2. Consumo sustentável

O consumo sustentável é outra grande tendência no mercado. Com as mudanças no nosso clima, a destruição da natureza e o uso irresponsável dos recursos naturais por diversos anos, a preferência por produtos de empresas que se preocupam com a sustentabilidade está em voga.

Produtos naturais, embalagens recicláveis e empresas que têm boas práticas sustentáveis ganharam a preferência do público.

A Starbucks, famosa marca de cafés especiais e lanches, está retirando o tradicional canudo verde de plástico dos copos, pois esse material representa um risco ambiental quando descartado incorretamente.

Outro tipo de produto/serviço que vem ganhando destaque nas cidades está no mercado de transporte. O compartilhamento de bicicletas está ganhando espaço no lugar de carros e ônibus que tanto poluem o ambiente.

3. Consumo digital

O consumo digital figura, atualmente, como uma tendência ímpar, sendo impulsionado cada vez mais pela rotina dinâmica que a população está adotando.

De repente percebemos que estamos precisando de algum tipo específico de roupa, sapato, artigo doméstico ou até um item para nosso pet. No entanto, engolidos pela pesada rotina, geralmente o tempo para sair e adquirir tais artefatos seria unicamente durante o fim de semana, ou quando conseguimos dar aquela escapada rápida no meio do expediente.

Veja como é mais fácil, nesse cenário, comprar o que é necessário pela internet. Você terá tranquilidade para escolher e pesquisar preços e prazo de entrega, podendo optar, de forma rápida, pelo item com melhor custo-benefício para você.

O consumo digital surfa a onda da aceleração do nosso dia a dia. É uma tendência que veio para ficar e seu crescimento é visível e continua em constante ascensão.

Hoje, uma empresa que não tem um site simplesmente está fechando as portas para o futuro e decretando o seu fim próximo. Essa atitude demonstra que a marca não quer evoluir e os consumidores entendem muito bem isso, deixando de comprar ali e optando por outros lugares.

4. Consumo visual

A comunicação não verbal está presente em nossa sociedade há séculos. Atualmente, nossa forma de interagir está ficando cada vez mais digital e, com o avanço das redes sociais, temos a propagação do consumo visual.

É claro que uma foto, um desenho ou um emoji podem dizer muita coisa. Quando estamos com preguiça ou até sem tempo de digitar uma palavra, ou quando não conseguimos encontrar uma expressão para mostrar uma emoção, usamos um simples emoji e pronto! A mensagem desejada foi passada e entendida pelo receptor.

As imagens fazem parte da busca pelo belo e pela alegria transmitida por fotos cobertas de filtros, por meio das quais cada um destaca a realidade que lhe convém.

Assim, o consumo visual é uma tendência de consumo. As lojas estão cada vez mais investindo em ter um perfil ativo no Instagram e outras redes sociais, nas quais fotos de seus produtos são publicadas para destacar sua beleza e funcionalidade.

Aliás, as mídias sociais representam uma tendência de consumo à parte. Elas são grandes aliadas das empresas na geração de leads, no estreitamento do relacionamento com o público, no melhor entendimento dele e na análise de como a concorrência está atuando.

Todas essas ações são possíveis nas redes sociais e grande parte do mercado já entendeu esse recado. Um restaurante, por exemplo, que começa a postar fotos dos seus lindos pratos com certeza pode ter mais visitantes no seu estabelecimento. Além de ser uma poderosa ferramenta de marketing, o custo para atuar com ela pode ser muito baixo.

5. Consumo compartilhado

Há alguns anos, a posse de certos bens era não só necessária, mas um sinônimo de status. Quem não tinha um carro era visto como alguém que não alcançou o sucesso, e o estímulo para ter o veículo do ano, da marca mais inovadora, era constante.

Hoje isso mudou! Utilizar é mais importante do que simplesmente ter. As pessoas enxergaram que manter um carro parado na garagem é besteira se elas podem pagar um valor interessante somente quando precisarem se locomover com o veículo.

Nesse conceito, nasceram empresas que hoje se destacam, como Uber e Airbnb. A primeira é a líder mundial quando o assunto é transporte, isso sem ter um único carro em sua frota. Como isso é possível? Por meio da união entre a demanda e a oferta, conectando a pessoa que necessita do transporte ao motorista que tem um carro e deseja rentabilizá-lo.

Se você colocar na ponta do lápis, verá que em muitos casos ter um veículo é mais caro do que compartilhar um quando você precisar. Impostos, manutenção, combustível, valor do veículo… tudo isso pode ser deixado de lado e você não precisa pagar uma fortuna quando precisar do serviço.

Do outro lado, a empresa oferece uma fonte de renda para quem quer trabalhar, com total controle do seu serviço. O motorista sabe quanto receberá e a quantidade de corridas a serem feitas por dia fica a cargo dele.

No caso do Airbnb, o cenário é similar, porém no mercado de hotelaria. Essa marca também é líder no seu nicho e não tem um hotel sequer. Assim como a Uber, uniu demanda e oferta com preços justos e uma boa experiência para ambos os lados.

A ideia da marca é fazer com que donos de imóveis ofereçam seus espaços para a locação dos clientes. A pessoa pode se hospedar em diversos países e cidades por um custo menor que o de hotéis grandes e com estrutura volumosa.

Esses dois exemplos nos ajudam a entender como a poderosa tendência de consumo compartilhado já está mudando nossos hábitos e ainda promete grandes alterações para o futuro.

A principal mensagem é que melhor do que ter (posse) é poder utilizar (acesso)!

6. Consumo mobile

Com certeza você tem algum aplicativo de compra, seja de transporte, como o Uber, seja de comida, como o iFood. Cada vez mais as grandes empresas de consumo direto estão investindo em aplicativos próprios para a venda de produtos ao público.

Veja o Magazine Luiza, que possui sua plataforma para smartphone própria e até uma atendente virtual, a Lu. As compras realizadas pelo aplicativo costumam ter um bom desconto, além de traçar o perfil de compra do consumidor para o envio de ofertas personalizadas. Ponto Frio, Centauro, Netshoes e outras marcas também já possuem seu próprio aplicativo para vendas.

A facilidade de manter os dados para pagamento e entrega salvos e não precisar repeti-los em todas as compras, além da possibilidade de pesquisar inúmeros outros produtos, fazem da compra por meio do aplicativo uma comodidade ímpar.

É bem provável que, nos próximos anos, vejamos um aumento significativo de lojas com aplicativos próprios. Quem ganha com isso é o consumidor, que poderá contar com um leque de opções de fácil acesso, além de ofertas exclusivas.

7. Consumo desktop associado ao mobile

Acabamos de citar o mobile como uma das tendências de consumo, mas é válido ressaltar outra tendência: o hábito de consumir uma grande quantidade de informações por meio dos dispositivos móveis e usar o computador desktop para tomar uma ação maior, como a compra.

Essa atitude ainda está muito atrelada à segurança, ou melhor, à falta dela. No mobile, podemos ter a sensação de que nossos dados bancários e pessoais não estão tão protegidos como no desktop; além disso, na tela grande é mais fácil visualizar todas as informações pertinentes antes de fechar uma compra.

8. Consumo consciente

O consumo consciente está associado ao fato de que nós, consumidores, estamos preferindo empresas que se preocupam com o meio ambiente ou com o bem-estar da sociedade.

Aqui no Brasil, ainda estamos vivendo os primeiros passos dessa tendência, mas já é possível identificar algumas marcas que estão sofrendo com uma imagem prejudicada justamente pela falta de preocupação com a sociedade em geral e o foco somente nas vendas e nos lucros.

O uso inconsciente dos recursos naturais pode acabar com a reputação de uma marca, como estamos vendo nos dias atuais, com rompimentos de barreiras no setor de mineração.

A consciência das marcas está muito atrelada também ao momento que estamos passando, com a população cada vez mais curiosa, exigente e com acesso às informações. O conhecimento serve como munição para que os consumidores exijam das empresas a mesma postura que é esperada na sociedade, entre pessoas.

9. Consumo omnichannel

A palavra “omnichannel” representa diversos canais de comunicação, o que é uma grande tendência atual.

Hoje utilizamos diferentes meios de comunicação a todo momento. Vivemos nas redes sociais, conversamos com outras pessoas por meio de aplicativos de mensagens, visitamos sites de diferentes empresas, realizamos buscas na rede de pesquisa. Além dos canais digitais, também consumimos muitas informações em revistas, panfletos, televisão ou rádio.

Então, a ideia do omnichannel é reunir tudo isso em uma única experiência, de forma que as marcas tenham uma mesma identidade, independentemente de onde estiverem se comunicando com seu público.

Como o marketing digital pode impactar no consumo?

As ferramentas disponibilizadas pela internet para o marketing digital permitiram que empresas se conectassem com um público mais amplo, divulgando seus valores e objetivos e alcançando pessoas a milhares de quilômetros.

O Inbound Marketing é um conjunto de estratégias que vem conquistando diversos segmentos diferentes, justamente porque aposta na propagação de conhecimento, em uma experiência mais agradável ao consumidor e em um relacionamento mais próximo entre o público-alvo e a empresa, gerando uma maior captação de clientes.

Então, vejamos como o marketing digital e suas vertentes podem impactar nas tendências de consumo.

Maior alcance das empresas

Um dos pontos principais em que o marketing digital pode ajudar é no alcance das ações. Se antes da internet uma empresa estava limitada a propagandas na rede de televisão, rádio ou panfletagem, hoje essas barreiras foram quebradas.

Não que o marketing offline não exista mais ou que tenha deixado de ser explorado. Grandes marcas ainda fazem esses investimentos e conseguem ótimos retornos. Porém, é preciso entender que o consumidor atual está conectado em diversos canais de comunicação.

O conceito de omnichannel representa muito bem o que estamos explicando. Significa utilizar diversos canais de interação, de forma que um complemente o outro, pensando na entrega de uma melhor experiência aos usuários.

Ao estar presente em redes sociais, e-mails, anúncios, aplicativos para dispositivos móveis e outros pontos de interação, uma marca consegue ampliar o leque e aumentar as vendas.

A empresa passa a estar disponível em diversos momentos e lugares. A todo instante, o perfil de cliente ideal recebe alguma informação da empresa, mesmo que não esteja explícita como uma peça publicitária. Todo esse poder ainda é amparado por soluções para criar a segmentação do público, como é o caso do geomarketing.

Uma academia de musculação, por exemplo, pode usar estratégias de localização dos usuários para segmentar suas campanhas de marketing, atingindo somente as pessoas da região do estabelecimento e que tenham as características buscadas pela marca.

Mais conhecimento aos consumidores

Outro ponto em que o marketing digital tem grande influência nas tendências de consumo que mostramos é o maior acesso às informações e ao conhecimento.

O Inbound Marketing é um grande responsável por isso. Enquanto nos métodos antigos de marketing as empresas “atiravam para qualquer canto” buscando clientes, agora a estratégia é espalhar conhecimento nos canais de comunicação e gerar a atração.

Os potenciais clientes são atraídos por conteúdos interessantes, materiais que não são focados somente na venda de produtos ou serviços. Essa atração é feita com um material postado no blog, um e-book especial, uma demonstração de um software ou qualquer outro material que gere interesse nas pessoas.

O Inbound Marketing tem vários estágios e em cada um deles são aplicadas estratégias diferentes para envolver o lead, fazer com que ele conheça cada vez mais sobre as soluções ofertadas e se interesse, avançando nos estágios da compra.

Nesse modelo, o que normalmente acontece é que os potenciais clientes só entram em contato com a marca solicitando a ajuda de um vendedor quando estão bem próximos de fechar a compra e precisam tirar pequenas dúvidas.

Então, aplicar essas estratégias é bom para os clientes, que agregam valor e conhecimento àquilo que estão buscando, têm mais certeza de que estão fazendo um bom negócio e sabem se realmente precisam daquilo, e também para as empresas, que conseguem automatizar diversos processos da venda e mostram toda a sua capacidade técnica e preocupação com o cliente.

Melhor experiência em todos os estágios da compra

Por fim, não podemos nos esquecer de que o consumidor se tornou extremamente exigente e isso se reflete nas tendências de consumo.

Falamos nos modelos de consumo, como o consciente, o sustentável e o compartilhado, em que as pessoas desenvolveram mais critérios para escolher com qual marca fecharão um negócio, optando por aquela que estiver mais conectada com seus valores e ideais.

O marketing digital aproxima mais as pessoas de suas marcas preferidas, o que faz com que o relacionamento deixe de ser somente comercial para ser também afetivo.

Qualquer pessoa tenderá mais a escolher uma empresa com a qual tem afinidade e que demonstra preocupação com o bem-estar social em vez de outra que simplesmente quer ver os lucros crescerem a qualquer custo.

A experiência do cliente gerada principalmente pelo Inbound Marketing traz não só compradores, mas fãs da marca, seguidores que aumentam as vendas recorrentes e que atraem novos clientes por meio de indicação e compartilhamento das boas experiências.

Neste conteúdo completo, analisamos quais são as principais tendências de consumo, as vantagens de cada uma e como as empresas precisam se adaptar a elas.

Essas tendências devem ser vistas como boas oportunidades para atrair novos clientes, fidelizá-los e aumentar a receita de sua marca. Para isso, tenha muita atenção a todos os aspectos que apresentamos neste artigo e veja como a sua marca pode se destacar no mercado.

Agora que você já conheceu as principais tendências de consumo, não pode deixar de conferir nosso conteúdo especial com as principais tendências do marketing digital para 2019. Baixe agora o e-book e veja como aproveitar melhor as oportunidades!

MARKETING & NEGÓCIOS

Coloque seu email abaixo para receber as atualizações do blog!

Acesse o e-mail enviado e confirme a assinatura, obrigado!